Como em um tango

Comentarios
Texto de: Enrique Bayer

Cento e vinte minutos não foram suficientes pra definir o adversário da Alemanha na final da Copa do Mundo 2014. Cento e vinte minutos também não decretaram o que seria o Brasil e Argentina mais melancólico da história do futebol. Os hermanos estão na final. Como em um tango, Argentina e Holanda bailaram por cento e vinte minutos no Itaquerão. Muita insinuação, pouca objetividade. Parece que, se a FIFA permitisse, as duas seleções ainda estariam em campo.

Mas a FIFA não permite. Alguém sairia de São Paulo destinado a enfrentar a seleção alemã, a mesma que brincou com o Brasil ontem no Mineirão. O massacre alemão, a propósito, espantou pela efetividade no futebol e parece ter espantado também os possíveis adversários. É a única explicação para o desempenho fraco das duas seleções, que no tempo normal fizeram um jogo cheio de "não-me-toque".

Com medo do gol - ou de tomar gol - a laranja mecânica manteve-se fiel a sua proposta: apenas atacar depois de ser atacada. Também receosa de ver as redes de Romero balançando, a seleção Argentina demonstrou excessiva cautela, como a tradição "copera y peleadora" dos hermanos determina. O combinado de Messi + 10 lembrava muito um desses times cisplatinos que entra pra ganhar a Libertadores com o regulamento embaixo do braço.

O regulamento então, conduziu o jogo ao inevitável: a disputa dos pênaltis. E aí, mais uma vez, brilhou um goleiro. Mas dessa vez não foi o goleiro holandês. Romero, que faz parte daquela lista interminável de "goleiro argentinos que não são confiáveis" mostrou que talvez a imprensa especializada esteja errada.

Durante toda Copa, o argentino responsável por ficar debaixo das traves teve atuações que não comprometeram, tanto que nossos vizinhos estão na final. Os pênaltis seriam então um prêmio pelo bom desempenho do arqueiro?

Podem ser. Com duas defesas exemplares nas cobranças de Vlaar e Sneijder o guarda-meta argentino fez a geradora oficial de imagens focalizar Tim Krul, como se perguntasse aos telespectadores "Por que ele não está lá, na meta holandesa?". Não sabemos. Van Gaal provavelmente explicará, e provavelmente continuaremos conjecturando, como gostamos de fazer. O fato é que o herói da vez também veste luvas, mas desta vez ele é argentino.

Os argentinos agora tem a ingrata missão de fazer mais gols do que a Alemanha e empatar a disputa por títulos nas Copas entre europeus e americanos em 10 a 10. Tem também a oportunidade de passar a vida inteira zoando os brasileiros, que sediaram duas Copas e não ganharam nenhuma. Pior: com o tri argentino o saldo canarinho seria uma derrota na final e um título dos "nossos" maiores rivais na "nossa" casa.

Aos holandeses resta uma amarga disputa de terceiro lugar no sábado contra os donos da casa, o consolo de saber que não serão quatro vezes vice campeões em quatro finais e a dúvida eterna: o resultado seria diferente se Tim Krul estivesse lá?

P.S.: O leitor, amigo e atual morador de Buenos Aires, Heder Loose, lembrou que 9 de julho - a data do jogo - é também o dia da independência argentina. Mais um motivo pro arqueiro Romero ser considerado um herói nacional. E amigos, com o feriado, imaginem como não esteve Buenos Aires no pós jogo!

Questionado como quase todos goleiros argentinos da história, Romero garante a Argentina na final (Foto: Getty Images)

#Compartilhar: Facebook Twitter Google+ Linkedin Technorati Digg

0 comentários:

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.